Imprimir

Em Salvador, o período das chuvas ocorre entre os meses de abril e junho. É também nesta época que as correntes de ar provenientes do sul ficam mais fortes, e com isso o mar tende a ficar mais agitado, acarretando no aumento de incidentes nas praias da capital baiana. Devido à chegada dos ventos fortes, a Coordenadoria de Salvamento Marítimo de Salvador (Salvamar), vinculada à Secretaria de Ordem Pública (Semop), faz um alerta aos banhistas quanto à escolha do lugar para banho e os riscos por conta do mau tempo.

 

Nesse período, há um aumento no número de caravelas e águas-vivas, que provocam queimaduras, e uma maior probabilidade de adquirir doenças de pele. “No período chuvoso, as águas pluviais coletadas pelo sistema urbano de saneamento básico deságuam no mar e acabam arrastando lixos e resíduos. Consequentemente, agrava a probabilidade de doenças de pele”, explica Rui Araújo, chefe do Setor de Treinamento da Salvamar.

 

Afogamentos - No ano de 2019, até o último dia do mês de março (31), foram registrados 447 casos de afogamentos. Desses casos, 174 foram registrados apenas no período de Carnaval, quando as equipes de salva-vidas ficam distribuídas por todo circuito Barra-ondina.

 

A orientação do Salvamar é que os banhistas busquem sempre praias onde há um posto de salva-vidas. "Há uma média de 32 a 40 postos atuando nas regiões entre o Jardim de Alah e a praia de Ipitanga, divisa com Lauro de Freitas", informa Araújo. Ele recomendou ainda que os banhistas evitem bebidas alcoólicas, comidas de difícil digestão, ficar de olho nas crianças e tomar banho com a água na linha cintura. Em caso de afogamento, tentar flutuar e evitar gasto de energia.

 

Os postos da Salvamar começam a funcionar no período de 8h às 18h. Quando há treinamento dos colaboradores, eles costumam operar a partir das 9h.