Através do Setor de Proteção da Estética da Cidade (Sepec), a Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) retirou 23 sucatas das vias públicas de Salvador, durante todo o dia de ontem (2), nos bairros de Pernambués, Calabetão, Dom Avelar, Cidade Nova, Paripe, Armação, Estrada das Barreiras, Cabula, Santa Mônica, Liberdade, Arenoso e Baixinha de Santo Antônio. 

 

A ação faz parte da operação Cidade Dez, Sucata Zero, que ocorre todas as terças e quintas-feiras, e contou com o apoio da Transalvador. 

 

Neste ano, a Semop removeu 459 sucatas dos logradouros públicos e emitiu 499 notificações para remoção pelos próprios donos, em atendimento a 373 denúncias do Fala Salvador (156).

 

“Esta é uma ação contínua da Semop que tem como objetivo cuidar da estética da cidade. Os números mostram o recolhimento de uma quantidade significativa de sucatas em áreas púbicas, que traziam risco à saúde da população", afirma Marcus Passos, secretário de Ordem Pública.

 

O principal objetivo desta operação é zelar pela estética da cidade e também garantir mais segurança e saúde para a população. A Semop recolhe e encaminha para o Setor de Guarda de Bens Apreendidos (Segub), situado na Av. San Martin. Os cidadãos que tiveram seus veículos sucatas apreendidos poderão retirá-los mediante a apresentação dos documentos de identificação do proprietário e do veículo. O prazo para a reivindicação é de até 60 dias, pagando multa no valor entre R$ 855,77 a R$ 1,1 mil. 

 

Em 2017, os dados superaram os anos anteriores. No total, foram feitas 1.705 notificações para remoções pelos próprios proprietários, resultando na retirada de 1.492 sucatas das vias públicas de Salvador. Já em 2016, foram 1.183 remoções. Os números dos anos anteriores incluem veículos abandonados, que eram de responsabilidade da Semop até a sanção da Lei nº 9.331/18, do dia 30 de janeiro de 2018, que transferiu a competência de remoção de carros abandonados nas vias de Salvador para a Transalvador.

 

156